Tiago Guedes | Hoje

Hoje de Tiago Guedes

H O J E   |   T I A G O   G U E D E S

Tiago Guedes, regressa ao palco volvidos 5 anos de Coisas Maravilhosas (2008). Diz o coreógrafo: “Hoje vivemos tempos conturbados. Não sabemos bem onde pomos os pés e que textura tem esse terreno.” É em busca desta resposta que parte o grupo de sete bailarinos, acompanhados pelos temas electrónicos inéditos do músico e produtor Lorenzo Senni (Itália). Pisando um chão incerto, que é transformado e os transforma pelo peso que exercem sobre ele, falam de caos, de como hoje exige contestação, mobilização e confrontação. Mas também de como nos refugiamos de tudo isto e nos reencontramos, em recato, connosco.
O criador propõe-se “responder às pulsões de hoje, do que sou agora, de como estou neste momento e de como estão aqueles que comigo trabalham”. Em palco estão diferentes fisicalidades e individualidades em adaptação a um estado – ora colectivo, grave e violento; ora de sublime interiorização. Um grupo que procura um ponto de apoio num terreno inconstante, movediço – que hoje o enterra mas que também o faz chegar mais alto.
Uma peça física, viva, em movimento. Por certo a mais dançada coreografia do percurso deste coreógrafo que desde a sua primeira criação, em 2002 (Um Solo), vem redesenhando aquilo a que convencionamos chamar “dança”.

 

FICHA ARTÍSTICA

Direcção Artística e Construção Coreográfica Tiago Guedes
Assistência de direcção artística Pietro Romani
Interpretação e Coreografia Anaísa Lopes, Ângelo Cid Neto, António Onio, Jonas Lopes, Marcella Mancini, Marco da Silva Ferreira e Teresa Silva
Desenho de luz e Direcção técnica Carlos Ramos
Desenho de som Lorenzo Senni
Produção Materiais Diversos
Co-produção  Culturgest (Lisboa), Teatro Nacional São João (Porto), Centro Cultural Vila Flor (Guimarães), Teatro Virgínia (Torres Novas) 
Duração 60min
 

CRÍTICA

O que fazer quanto tudo desaba
Colchões empilhados formam quatro edificações na iminência de ruir, delimitam a cena vazia. Sete personagens atravessarão o palco, de ténis e roupa casual discretamente colorida, em passo apressado ou em corrida, sós, em pares, ou trios; os seus percursos desenham linhas paralelas ou oblíquas e por vezes interceptam-se; derivam em súbitas curvas, numa queda, ou há acções que se suspendem. São imprevisíveis declinações sobre temas motores a complexificar-se e, apercebemo-nos, de exigência física e mental extremas para muito jovens intérpretes.
O prólogo é fabuloso, hipnótico, adensado pela notável toada do trance electrónico (composto por Lorenzo Senni a partir dos ensaios), mas cria certa apreensão: a fasquia é alta, como mantê-la até ao fim?
Hoje assenta numa rigorosa composição de elementos aparentemente simples. Um criterioso exercício de subtracção a alinhar um fio narrativo não-verbal empolgante, do qual ficamos, literalmente, suspensos.
Hoje assinala o seu regresso à fisicalidade da dança, numa assimilação tranquila de vários legados: os da dança académica e pós-moderna e da pesquisa conceptual que partilhou com João Fiadeiro.
Mostra-nos uma via por onde a dança contemporânea se expande, não contra ou a favor de qualquer herança, mas tão-só a partir de móbeis próprios. Empenhada no mundo de hoje, e a deixar respirar uma promissora geração de novos intérpretes, esta está entre a melhor dança portuguesa dos últimos anos; e sinaliza existir neste Portugal desesperançado uma vitalidade criativa em contraciclo a lembrar-nos do que podemos fazer quando tudo em redor parece desabar.

Luísa Roubaud (4 estrelas e meia atribuídas) in Jornal Público 7 de Dezembro de 2013 (excerto)

 

CIRCULAÇÃO

2015
Vivat la Danse!, Villeneuve d’Ascq/La Rose des Vents, 31 Janeiro

2014
/ Chantiers d’Europe, Paris/Théâtre de la Cité Internationale, França, 5-6 Junho
/ Centro Cultural do Cartaxo, Cartaxo, Portugal, 10 de Maio
/ Teatro Viriato, Viseu, Portugal, 22 de Fevereiro
/ TAGV , Coimbra, Portugal, 20 de Fevereiro
/ GUIdance – Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, Portugal, 13 de Fevereiro

2013
// estreia  Culturgest, Lisboa, Portugal, 6 e 7 de Dezembro
// ante-estreia Teatro Virginia, Torres Novas, Portugal, 30 de Novembro

 

Galeria de Fotos


Créditos © Patrícia Bento (#1 a #6) / Joana Patita (#7 a #11)