CONFERÊNCIA “A MARY WIGMAN DANCE EVENING”

“A MARY WIGMAN DANCE EVENING” E “A PERSONAL YET COLLECTIVE HISTORY”
“UM RECITAL DE MARY WIGMAN” E “UMA HISTÓRIA PESSOAL E COLECTIVA”

FABIÁN BARBA Equador/Bélgica  +  ANABELA SILVA Portugal


\Conferência


QUA 24 Setembro | 18h
Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes, Torres Novas
2h | Participação gratuita

PARTICIPE!
FOCO MARY WIGMAN

 -

Que contrariedades se escondem na designação dança contemporânea? O que leva a catalogar determinada criação dos dias de hoje como datada?

Fabián reflecte sobre a sua experiência enquanto bailarino em dois contextos distintos – Quito (Equador) e Bruxelas (Bélgica) -, e como os paradoxos na percepção do que é a contemporaneidade na dança o levam a conceber os projectos A Mary Wigman Dance Evening (2009) e A personal yet collective history (2012), nos quais instiga a que se estabeleçam relações presentes com danças do passado.

Ao longo da sua formação na P.A.R.T.S., Fabián aprende que educação em dança é sobretudo a inscrição numa determinada cultura da dança, que altera a relação que se estabelece com o acto de dançar. A contradição apresenta-se quando reconhece uma relação hierárquica entre as duas cenas de dança que integrou, onde o Equador surge invariavelmente como inferior, datado e anacrónico. Será que, como afirma Marx, “O país industrial e culturalmente mais desenvolvido é a imagem de futuro do país menos desenvolvido”? Esta acepção, herança do colonialismo, subjuga a prática de muitos artistas a projectos desenhados noutros territórios.

Os espectáculos em análise integram um projecto maior que visa incorporar diferentes políticas de tempo, que envolvem a possibilidade de habitar o passado. Fabián reconhece que também ele vê a história como uma progressão linear de um passado ido, um presente singular e um futuro para o qual todos nos dirigimos. A lógica sequencial historicista, não aditiva, implica que dança moderna e contemporânea não co-existam. O próprio termo dança contemporânea exclui automaticamente todos os outros tipos de dança que ocorrem no presente – não só diz que pertence ao presente como também que o presente lhe pertence. Fabián entende que esta designação subentende uma discriminação, bem como a negação da possibilidade de contemporaneidade de formas de dança moderna existentes em diferentes partes do planeta. Assume portanto a necessidade de resgatar o passado para a experiência actual, não como acto conservador, mas sim de rebelião, fazendo provar o princípio que “diferentes temporalidades habitam o presente”.

 FAÇA NOITE DUPLA! 

\Cenas de Dança/documentário 
When the fire dances between two poles, Mary Wigman 1886-1973 | Allegra Fuller Snyder

\Ver também Fabián Barba | A Mary Wigman Dance Evening

Biografia

Fabián Barba (Quito, 1982) estudou literatura, comunicação, dança e teatro no Equador e na P.A.R.T.S. (Bruxelas). Cria diversas peças com o colectivo de artistas Busy Rocks, do qual é membro fundador. Integra como intérprete com Thomas Hauert/ZOO, DD Dorvilier e Olga de Soto. Apresentada mais de 50 vezes, A Mary Wigman Dance Evening (1ª obra, 2009), foi distinguida com o Prix Jardin d’Europe 2010. Resultado da sua pesquisa no âmbito da história da dança, orienta palestras em diversas instituições.

Anabela Silva, (Torres Vedras, 1961) é licenciada em História, variante em Arqueologia (FLUP). É actualmente professora de História da Arte no Centro de Estudos de Fátima, onde tem estabelecido parcerias com museus e galerias de arte, colaborado em projectos com artistas plásticos e performativos e apresentado palestras acerca da modernidade e contemporaneidade artística.

 

Conferência Fábian Barba na P.A.R.T.S 

 

-
Apoio à apresentação

1.1_Open Latitudes 1.2_Open Showcase white 2.1_Programa Cultura